Imprensa‎ > ‎Arquivo 2001-2004‎ > ‎

Anatel faz outro teste para bloquear sinal de celular

postado em 24 de jan de 2012 15:41 por Eduardo Neger ‎[NEGER® Telecom]‎   [ 24 de jan de 2012 19:46 atualizado‎(s)‎ ]
Terça-feira, 23 de Outubro de 2001, 00:04 | Online 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realizou na última semana o segundo teste de bloqueadores de celular em presídio. Desta vez na zona urbana, onde há maior tráfego de sinais de celulares. 

A bateria de testes ocorreu entre os dias 16 e 18 de outubro no Centro de Detenção Provisória (CDP), em Campinas, no Estado de São Paulo, que faz parte do Complexo Penitenciário de Hortolândia. O primeiro palco dos testes foi o presí­dio localizado na zona rural de Iperó, também em São Paulo. 

Segundo nota divulgada pela Anatel, equipamentos do fabricante Neger Telecom, de Campinas, foram experimentados. No total, serão usados equipamentos de 12 fabricantes, mas a Anatel não divulga o cronograma dos testes por motivo de segurança.

O órgão regulador também não informou o resultado da experiência, mas ressaltou que foi considerada de grande importância, uma vez que o CPD de Campinas fica na área urbana, próximo a préios comerciais e residenciais, com grande número de torres de transmissão dos sinais dos celulares. 

O presí­dio abriga 890 detentos e ocupa uma área de 7,9 mil metros quadrados. Segundo a Anatel, foram detectados sinais dos celulares nas banda A e B e também do Serviço Móvel Especializado (SME), mais conhecido como trunking. 

As torres mais próximas estão a uma distância que varia de aproximadamente um quilômetro a dois quilômetros do CPD. A nossa preocupação nem é com o nível de ruí­do que o equipamento bloqueador vai gerar, mas com a manutenção da qualidade do sinal do serviço móvel nos limites externos da prisão, disse o gerente de Fiscalização da Anatel em São Paulo, Roberto Freitas Moraes. 

Uma das determinações da Agência é que os bloqueadores não criem área de sombra (onde o sinal não chega) fora dos presídios, prejudicando o uso dos celulares pelos cidadãos comuns.
Comments